Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, encerra o ano com resultados similares ao do ano passado, totalizando um faturamento de cerca de R$ 2,6 bilhões. Apesar da crise no Brasil, a companhia continuou investindo em novas oportunidades de negócios focadas em inovação.
Ao longo do ano, a Stefanini realizou algumas movimentações importantes. No primeiro semestre, a VANguard, coligada especializada em governança de TI, Segurança e Service Management, se fundiu com a Scala IT, um dos principais parceiros da IBM em software. Atualmente, a Stefanini Scala já atende a quase 100% do portfólio de software da IBM no Brasil.
Na área de segurança cibernética, a Stefanini anunciou a joint-venture com uma das maiores empresas de defesa israelense, a Rafael. A Stefanini Rafael terá uma atuação importante na segurança da automação industrial, especialmente com o crescimento de projetos envolvendo a Internet das Coisas (IoT).
Outra movimentação de destaque foi a aquisição da empresa colombiana Sysman, que trabalha com uma oferta diferenciada de ERP para Governo e complementou o portfólio de soluções do Grupo, dentro de seu projeto de expansão na América Latina.
Desde o ano passado a Stefanini vem intensificando seu processo de aquisições, fusões e joint-ventures. Em 2015 a multinacional brasileira realizou a fusão com a IHM Engenharia, que tem forte atuação no setor industrial. Também promoveu a joint-venture com a Tema Sistemas para criação da Stefanini Capital Market, além de lançar a Stefanini Inspiring, que nasceu como um braço de telecomunicações do grupo. A empresa ainda abriu um escritório em Ontário, no Canadá, e adquiriu 40% da gaúcha Saque e Pague com o objetivo de oferecer serviços inovadores para o varejo.
Antenada às principais tendências tecnológicas, a companhia conta com uma estrutura robusta para implementar mudanças importantes para que os clientes se preparem para a era da Internet das Coisas e da Indústria 4.0, também chamada de 4ª Revolução Industrial. A base tecnológica desta revolução é a utilização dos sistemas ciberfísicos, internet das coisas e computação em nuvem, além de uma rede de informações em tempo real, para que os processos de produção se tornem cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis.
“Hoje, conseguimos montar um banco 100% digital para qualquer instituição, promover o engajamento dos clientes com campanhas de fidelização, oferecer uma assistente virtual capaz de compreender e processar solicitações via texto e voz de maneira rápida, eficiente e intuitiva, além de garantir mais eficiência operacional para as estruturas de backoffice”, destaca Marco Stefanini, CEO global do Grupo Stefanini.
Segundo o executivo, quem atua no setor de prestação de serviços em TI, como é o caso da Stefanini, tem um desafio ainda maior: promover o Business Transformation. Para auxiliar seus clientes no processo de transformação digital, a Stefanini reúne o que há de mais moderno em inteligência cognitiva, plataformas de fidelização, Robotics, BPO, dentre outras soluções.
A Stefanini Inspiring, um dos centros de excelência e inovação do grupo, conta com soluções escaláveis que tratam grandes volumes de informações, transformando a jornada do cliente e, consequentemente, os negócios das empresas. Com o monitoramento em tempo real dos dados e personalização das informações, os clientes da Stefanini constroem a base para sua transformação digital, de maneira mais rápida e eficiente.
“Todas as nossas soluções podem ser conectadas, o que garante uma oferta inovadora, que eleva os níveis de excelência com redução de custos. Tentamos compreender as dores do cliente para mostrar de que forma a tecnologia poderá ajudá-lo. Nesse sentido, apresentamos ofertas direcionadas por segmentação, capazes de trazer resultados mais eficazes para nossos clientes”, afirma Monica Herrero, CEO da Stefanini no Brasil.

Inteligência Artificial

Batizada de Sophie, a plataforma inteligente da Stefanini é capaz de compreender e processar solicitações via texto e voz de maneira rápida, eficiente e intuitiva. Evolução da plataforma Parli lançada inicialmente em 2014, se tornou uma ferramenta voltada para operações globais da Stefanini, assim como uma personalização da tecnologia de forma a torná-la mais adequada para um número maior de processos de atendimento, independente de seu volume.
De acordo com Alexandre Winetzki, presidente da Woopi, empresa de pesquisa e desenvolvimento da Stefanini e responsável pela implementação da tecnologia no Brasil, os benefícios da plataforma inteligente podem ser obtidos por qualquer empresa ou corporação que deseje aumentar sua capacidade de interagir com seus usuários, por meio de um conjunto de canais mais amplo que um call center tradicional.
Segundo estudo divulgado recentemente pela consultoria Research and Markets, o mercado mundial de produtos de inteligência artificial deve movimentar cerca de 23,4 bilhões de dólares até 2025.

Soluções de BPO
Para garantir que os processos sejam mais ágeis e eficazes, as ofertas de Business Process Outsourcing (BPO) podem ser uma boa solução. A demanda por elas tem crescido tanto que a Stefanini anunciou o processo de internacionalização das ofertas, que contará com quatro delivery centers principais – Brasil, Filipinas, México e Romênia, que são países com operações consolidadas e com grande oportunidade para agregar valor às ofertas de BPO.
“Nossa oferta está bem madura no Brasil, com uma média de crescimento acima do mercado. Por isso, decidimos ampliá-la para outros países, dentro da nossa estratégia de expansão acelerada da área de BPO”, afirma Wander Cunha, diretor da Business Consulting da Stefanini.
De acordo com ele, o grande diferencial da oferta de BPO da Stefanini é o alto nível de automação, que inclui soluções de robotização, analytics e inteligência artificial. “Como a área de BPO é uma das que mais crescem dentro da Stefanini, queremos aproveitar esse momento e a sinergia de gestão para gerar modelos de negócios avançados, que priorizem a eficiência operacional”, detalha. Em momentos de crise, quando as empresas precisam reduzir custos e ganhar produtividade, as soluções de terceirização se apresentam como uma tendência, pois permitem que seus gestores se concentrem nas decisões estratégicas de negócio.

20 anos de internacionalização
A Stefanini Argentina, primeira filial fora do Brasil, completa 20 anos. Apesar das taxas de inflação acima de 25% ao ano e da retração do câmbio, a companhia manteve sua visão de longo prazo e continuou investindo na região, o que permitiu crescer 40% em 2016.
Atualmente, a subsidiária argentina conta com 300 funcionários e 44 clientes ativos, que são atendidos pelos escritórios de Buenos Aires e Córdoba.
“A internacionalização é um dos pilares de crescimento da Stefanini. Estamos sempre observando novas oportunidades que possam agregar soluções inovadoras ao portfólio da companhia, de forma a promover o business transformation dos negócios de nossos clientes, tanto do ponto de vista da qualidade da oferta quanto da redução de custos”, afirma Marco Stefanini, CEO global do Grupo Stefanini.
Pelo segundo ano consecutivo, a Stefanini aparece no Ranking FDC das Multinacionais Brasileiras 2016, divulgado pela Fundação Dom Cabral, como a 5ª empresa brasileira mais internacionalizada. Segundo a pesquisa, a Stefanini avançou nos critérios de avaliação sobre o número de países onde a empresa está presente e índice de ativos, ocupando a liderança do ranking nessas duas categorias.

Presença global da Stefanini

ü Atuação em 39 países, 96 escritórios em 87 Cidades, 35 idiomas

ü Mais de 21.000 funcionários

ü Brasil: 12.000

ü América Latina: 2600

ü América do Norte: 2500

ü EMEA: 2.300

ü APAC: 1.800

ü 1ª filial foi inaugurada em 1996, na Argentina, projetando a Stefanini como a primeira multinacional brasileira da área de tecnologia

ü A Stefanini chegou aos Estados Unidos em 2001

ü Na Europa, a primeira filial foi na Espanha, em 2003

ü Chegou na Índia em 2006 e nas Filipinas em 2011

ü Em 2010 a Stefanini dá um importante passo rumo à internacionalização ao adquirir a Tech Team

ü Em 2015 foram cinco movimentações:

1. Fusão com a IHM Engenharia (Fevereiro)

2. Joint-venture com a Tema Sistemas para criação da Stefanini Capital Market (Março)

3. Lançamento da Inspiring, braço de telecomunicações da Stefanini (Junho)

4. Criação do escritório em Ontário, no Canadá (Junho)

5. Aquisição de 40% da Saque e Pague (Agosto)

ü Em 2016:

1. Aquisição da empresa colombiana Sysman, especializada em ERP para Governo;

2. Fusão com a Scala IT (por meio da coligada VANguard)

3. Joint-venture com a israelense Rafael

Alex Inglês é o novo Diretor Geral da BT (British Telecom) no Brasil. Ele ingressou na empresa há oito anos, quatro baseado em Londres e os últimos quatro em São Paulo. Antes de assumir o novo cargo, atuava como Diretor de Atacado para América Latina, à frente dos negócios da BT com operadoras de telecomunicações em toda a região.

Em Londres, exerceu diversas funções, tendo trabalhado inclusive na preparação da infraestrutura de telecomunicações para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Londres 2012. Mudou-se para São Paulo para assumir o posto de Diretor de Operações (COO) para a América Latina, e depois o de Diretor de Desenvolvimento de Negócios e Operação de Vendas para a região.

Antes de trabalhar na BT, Alex acumulou na Accenture vasta experiência em consultoria para a área de Tecnologia da Informação.

Alex possui MBA pela London Business School e é formado em Engenharia da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Trabalhou em 15 países e é fluente em quatro idiomas. Alex nasceu no Rio de Janeiro e atualmente vive em São Paulo.

Jorge Najera, que acumulava a função de Diretor Geral da empresa no Brasil e de Vice-Presidente para o sul da América Latina, continua no cargo de VP, com responsabilidade por Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai. Jorge também vive em São Paulo.

Como parte de sua estratégia de crescimento, o Grupo Perinatal, maior rede de hospitais especializados em serviços de maternidade do Rio de Janeiro, há 20 anos terceiriza a gestão de sua área de Tecnologia da Informação (TI) com a Exporting Solutions, consultoria especializada na prestação de serviços de tecnologia para empresas da área de saúde.

Há cerca de 25 anos, a instituição era composta apenas por uma maternidade com 25 leitos e uma unidade de tratamento intensivo (UTI) neonatal com capacidade para atender a 20 recém-nascidos. De lá para cá, o grupo foi crescendo a taxas anuais expressivas, alcançando o ápice em 2009, quando abriu a maior de suas unidades até aqui. Atualmente, o grupo mantém duas maternidades e cinco UTIs neonatais, três delas dentro de outras instituições hospitalares que, juntas, somam quase 300 leitos, sendo 150 na UTI neonatal.

Com a abertura da última unidade, em 2009, o Grupo Perinatal praticamente quadruplicou a infraestrutura e o número de dispositivos conectados a sua rede. O crescimento exponencial e a complexidade de negócio resultante dessa expansão fizeram com que a EXPO precisasse reinventar o gerenciamento de TI no Grupo Perinatal. “Os dispositivos que não passavam de 40, há 20 anos, hoje, giram em torno de 2.000, incluindo smartphones, tablets, desktops, impressoras, roteadores etc.”, calcula Marcos Chamma, coordenador de Infraestrutura da EXPO. “Além disso, atualmente, precisamos monitorar também os servidores e links de conexão da instituição, assegurando a máxima disponibilidade dos sistemas cruciais ao negócio do Grupo Perinatal.”

Marcelo Moraes, sócio da EXPO e diretor de TI do Grupo Perinatal, afirma que a expansão do parque e a maior complexidade da infraestrutura impossibilitaram o gerenciamento pelo que ele chama de “feeling”. Assim, depois de analisar algumas soluções de mercado, a consultoria decidiu implementar o WhatsUp Gold, da Ipswitch. O software, que é líder em monitoramento unificado de infraestrutura e aplicações, permite a automatização do gerenciamento de todo o ambiente de TI, dando inteligência à administração do complexo ambiente.

Atualmente, a EXPO utiliza o WhatsUp Gold para gerenciar todos os mais de 2.000 dispositivos existentes na infraestrutura do Grupo Perinatal. “A solução garante maior produtividade e inteligência à área de TI”, afirma Moraes. Ele explica que hoje existe uma infinidade de indicadores de desempenho de TI e diz que monitorar todas informações é praticamente impossível, pois consome tempo demais, impedindo que os gestores dediquem tempo a questões mais estratégicas. “O WhatsUp Gold faz a gestão por exceção. Ou seja, a ferramenta identifica aquilo que não está dentro das metas pré-definidas”, explica o executivo. “Dessa forma, a equipe de TI só precisa agir quando algo está fora do padrão e não precisa gastar tempo analisando aquilo que funciona dentro do padrão estabelecido.”

Além de assegurar excelente desempenho de sistemas e dispositivos, isso permite que os administradores de TI consigam dedicar tempo a questões estratégicas do negócio, ajudando a direcionar melhor os investimentos e, assim, garantindo a inovação contínua nas empresas.

Flexibilidade

Outro fator determinante para a escolha do WhatsUps Gold foi a sua flexibilidade. “A solução é flexível o suficiente para ser integrada a outros softwares, inclusive àqueles desenvolvidos por terceiros”, explica Ricardo Martins, gerente comercial da EXPO. “A Ipswitch nos oferece acesso ao banco de dados do WhatsUp Gold, o que permite o desenvolvimento de soluções complementares para atender a demandas específicas de nossos clientes”, afirma.

No caso do Grupo Perinatal, graças a essa flexibilidade, a EXPO conseguiu desenvolver uma solução para gerenciar as impressoras e as respectivas utilizações. “Todas as impressoras estão cadastradas no WhatsUp Gold para o gerenciamento e contagem de impressões. E esses dados são comparados às informações entregues pelo fornecedor de outsourcing de impressão”, detalha Chamma. “Conseguimos trazer uma camada intermediária para que o cliente tenha controle de todos os serviços utilizados, sem depender dos dados do fornecedor.”

Disponibilidade e inovação contínua

Hoje, com o WhatsUp Gold, a EXPO consegue garantir nada menos que 99,8% de disponibilidade dos sistemas do Grupo Perinatal. Além disso, os gestores de TI têm mais tempo para dedicar ao planejamento, o que reflete em bom desempenho em termos de custos na gestão do parque do cliente. “Sabemos exatamente como aconselhar e direcionar os investimentos no Grupo Perinatal, gerindo melhor os recursos financeiros e o planejamento futuro para garantir a contínua inovação na instituição”, afirma Moraes.

EXPO Exporting Solutions – parceira e usuária das soluções Ipswitch

A EXPO é uma empresa de consultoria em Tecnologia da Informação (TI). De soluções específicas a serviços integrais de outsourcing de TI, a companhia entrega soluções completas a dezenas de clientes na área da saúde. A EXPO é parceira da Ipswitch e, além de fornecer soluções da companhia norte-americana aos seus clientes, também utiliza as ferramentas para gerenciar os ambientes das companhias nas quais presta serviços de outsourcing. Para saber mais sobre a EXPO, visite www.exporj.com.br.